quarta-feira, 1 de maio de 2013

Nomeei-te


Nomeei-te Lua
para que tuas inconstâncias
me fossem plausíveis.

Nomeei-te Sol
na esperança que
me aquecesses nalgum dia.

Nomeei-te Flor
quando perfumasses
os meus lençóis e o meu quarto.

Nomeei-te Chão
ao tropeçar,
me ferir e te perder.

Nomeei-te Céu
por tuas escuridões
e clarezas.

Nomeei-te Mar
por tuas funduras
e delícias.

Nomeei-te Deus
porque me castigasses
sem culpa.

Nomeei-te meu
e foi ai, criatura,
onde me enganei.

(Lara Farias)