sábado, 7 de julho de 2012

Um eterno bem-me-quer


Lara Carraro
A escuridão me deixa tonta.
Laço-me com um canto
Ou um encanto por a noite já haver partido.

Mais tarde o dia que sussura — "Vá ao ter".
E o que fica guardado além dos traços da antiga fotografia?

Levanto-me em tentação.
Meu corpo declama teu nome,
E, em desespero, o dia — "Vá ao ter"
(Fui e sempre estive).

Quero te dizer, pétalas de Zaida viverão por mim e por ti
E serão sempre um bem-me-quer.

(Lara Farias)





Nenhum comentário:

Postar um comentário