quarta-feira, 25 de julho de 2012

Partículas de cor

Eu entro no trem errado.
Escuto uma criança que chora no vagão vazio
Fazendo as paisagens se afogarem no raso de seus olhos.

Embriagar-se-ia da lama salgada dos dias que não foram nossos?

Alguém, por piedade, a teve no colo por um momento.
Não houve soluço ou lástima.
A menina, que outrora chovia, fez-se sol em um sorriso,
Por sentir um cheiro lúbrico que emanava do corpo             
                                                          [do seu primeiro amante.

Suor, areia no chão e os pés no céu.
O uniforme carrega o cheiro do outro.
Existem muitos, mas, menina,
Morre como o cigarro, e os recrie!

E falemos de cores!
O amor tem sua cor, tem a minha também;
A vida tem sua cor; E os dois?  
Benditas partículas colorindo um retrato em preto e branco!

(Lara Farias)

sábado, 7 de julho de 2012

Um eterno bem-me-quer


Lara Carraro
A escuridão me deixa tonta.
Laço-me com um canto
Ou um encanto por a noite já haver partido.

Mais tarde o dia que sussura — "Vá ao ter".
E o que fica guardado além dos traços da antiga fotografia?

Levanto-me em tentação.
Meu corpo declama teu nome,
E, em desespero, o dia — "Vá ao ter"
(Fui e sempre estive).

Quero te dizer, pétalas de Zaida viverão por mim e por ti
E serão sempre um bem-me-quer.

(Lara Farias)